sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Boa viagem, ardor

Da minha janela, não posso ver o céu,
não posso ver o chão. Os espectros
arrastam-se sala em sala, sem vida.
Tão apressados, cansados e carentes.
São a poesia servil. É a poesia bruta.

O reflexo do sol aquece, anima e cega.
Entre brechas da cortina posso vê-lo.
Luminosamente vivo. Claridade que não
toca minha pele, não me aquece. Limbo.

Nas janelas vizinhas, reflexos romanos.
A natureza derrama em minha consciência
um dilúvio saboroso de orvalho gritante.
Delírio em pausa selvagem. Contrações.

Mutualidade ardente dos desprovidos
de sonhos rebelam-se ao nada. Insolúvel.
Os que se curvaram, absorvem serpentes.
Comem cinza entrelaçada. Mortos e vazios.

3 comentários:

  1. Esse poema é um suidídio [2]

    Mas de uma profundidade fascinante!

    ResponderExcluir
  2. LindooH - esse poema é suicídio [3]

    ResponderExcluir